Como fazer um delicioso Drink de Gin Tônica, Laranja e Pimenta Rosa

28 julho 2021

O Drink Gin Tônica está ganhando corações pelo Brasil! O Gin Tônica caiu no gosto do público porque seu preparo não depende de equipamentos. As pessoas que gostam de receber amigos em casa, podem fazer coquetéis lindos, refrescantes e deliciosos porque, além da facilidade do preparo, o gin harmoniza com um universo gigante de frutas e até legumes que encontramos na feira perto de casa... 


Além disso, o gin está aparecendo nas prateleiras dos mercados brasileiros com preços mais acessíveis...


O mais popular é o Gin Tônica, Laranja e Pimenta Rosa, ele é super fácil de fazer..

Para fazer esse Drink, nos vamos precisar de:

  • Gelo
  • 40ml de Gin
  • 1 Lata de Água Tônica
  • 1 Laranja Bahia 
  • 1 Colher de Chá de Pimenta Rosa

Modo de fazer:

  • Coloque o gelo na taça, pode encher bem...
  • Corte a Laranja, vamos usar duas rodelas nesse drink.
  • Misture o gelo na taça para fazer ela fica bem geladinha, isso vai fazer toda a diferença em seu drink, e em seguida retire o excesso da água que soltou do gelo da sua taça...
  • Coloque o Gin na taça e complete com a água tônica.
  • Acrescente as rodelas da laranja, a pimenta rosa e esprema um pouco do caldo da laranja. Isso vai fazer o seu drink ficar com um gostinho maravilhoso!
  • E está pronto para servir...

Fizemos um vídeo mostrando o preparo dele para vocês....


Fica uma delicia, vale a pena experimentar...

Tirinhas de Carne ao Molho Shoyu

26 julho 2021

Tirinhas de Carne ao Molho Shoyu é um prato delicioso e super fácil de fazer...



A receita é rápida de fazer e você pode utilizar a carne de sua preferência como, patinho, coxão mole ou alcatra, tudo isto com legumes e muita cebola...

Fica delicioso!!!


Fizemos um vídeo para mostrar melhor para vocês o preparo desse prato maravilhoso...


Se desejar, acrescente outros legumes ou temperos de sua preferência.

Benefícios da Corrente russa

23 julho 2021

A corrente russa é um aparelho de eletroestimulação que promove uma contração dos músculos promovendo um aumento da força e aumento do volume muscular.



Esse equipamento é mais utilizado na fisioterapia, na reabilitação de pessoas que não conseguem contrair os músculos de forma efetiva, como acontece com pessoas que tiveram um AVC, ou em casos de paraplegia, por exemplo, mas também pode ser usado para melhorar a performance de atletas, e para fins estéticos para fortalecer os abdominais, glúteos e pernas, desde que seja usado corretamente. 


A corrente russa serve para emagrecer?


A corrente russa vem sendo usado na estética para melhorar a aparência da barriga, pernas e glúteos, no entanto, ela não é tão eficaz quanto a prática do exercício físico, porque as contrações realizadas pelo equipamento não são exatamente iguais as que o corpo consegue fazer. Assim, esse equipamento nunca deverá substituir a prática do exercício físico.

A verdade é que a corrente russa consegue recrutar mais fibras musculares durante seu uso, desde que a pessoa realize uma contração muscular ao mesmo tempo em que acontece o estímulo elétrico. Dessa forma, seria mais sensato usar a corrente russa numa academia de ginástica ou num centro de reabilitação, por exemplo.

Como usar a corrente russa para chapar a barriga?

Acredita-se que 10 minutos de corrente russa na barriga corresponda a mais de 400 abdominais tradicionais, mas para que a corrente russa seja realmente eficaz é importante contrair o abdômen ao mesmo tempo, porque assim todas as fibras do músculo reto abdominal podem ser trabalhadas. O mesmo não acontece se a pessoa usar o equipamento num centro de estética, de forma totalmente passiva.

Assim, uma excelente forma de fortalecer os abdominais, tirando melhor proveito da corrente russa é posicionar os eletrodos no reto abdominal e fazer 2 minutos do exercício prancha abdominal, por exemplo, com no mínimo 3 repetições desse exercício.

Uma série como essa é capaz de realmente fortalecer o abdômen, tendo efeito satisfatório, mas somente se a pessoa realizar a contração ao mesmo tempo. O uso da corrente russa de forma totalmente passiva, ou seja, sem contração muscular voluntária ao mesmo tempo, não é eficaz e não trará qualquer efeito significativo para o corpo.

Como funciona a corrente russa?
O aparelho de corrente russa é composto de várias pequenas almofadinhas que são os eletrodos que devem ser posicionados estrategicamente no meio do músculo da região que está sendo tratada, mas sempre respeitando princípios, como não colocar ao mesmo tempo em músculos agonistas ou antagonistas, devendo por isso, ser posicionada por um fisioterapeuta ou preparador físico.

O aparelho irá promover um estímulo semelhante ao que o cérebro envia para os músculos, o que gera uma contração involuntária do músculo, mas para que possa tirar melhor proveito desse equipamento, sempre que este estímulo elétrico acontecer, o indivíduo deve contrair o músculo ao mesmo tempo.

Quais os resultados da corrente russa?


Como resultados da corrente russa, pode-se esperar um aumento do volume muscular, diminuição da flacidez, melhora da circulação sanguínea, melhora da drenagem linfática, maior facilidade ao realizar movimentos e maior destreza ao realizar movimentos delicados. No entanto estes resultados são mais vistos quando a pessoa apresenta inicialmente fraqueza muscular causada por um derrame, ou segue um programa de exercícios físicos que deve ser realizado ao mesmo tempo de uso do equipamento.


Os melhores resultados são observados quando a corrente russa:

É usada para combater a atrofia muscular em pessoa acamadas ou em recuperação;
É usada para melhorar a performance de atletas;
É usada para fins estéticos, como complemento da atividade física e alimentação adequada.

Quando se trata de uma pessoa saudável, que apenas é sedentária e não pratica nenhum tipo de atividade física, quando a contração voluntária não acontece, pode-se notar um pequeno aumento da força e do tônus muscular, havendo pouquíssimo aumento no volume muscular, e por isso a corrente russa nunca poderá substituir a prática de exercícios como a musculação.

Quantas sessões de corrente russa fazer?

O número ideal de sessões de corrente russa a se fazer depende muito da situação muscular de cada indivíduo. Indivíduos muito flácidos ou em caso de atrofia muscular necessitam de um número maior de sessões, que podem ser realizadas diariamente, com a duração de, aproximadamente, 10 a 15 minutos por área tratada.

Para fins estéticos e atléticos o número de sessões varia de acordo com a necessidade que a pessoa apresenta, sendo o ideal praticar exercícios, pelo menos, 5 vezes por semana, usando a corrente russa nos músculos específicos que precisam de uma contração muscular mais forte.

Durante o tratamento deve-se sentir uma espécie de formigamento inicialmente e a seguir, ao aumentar a intensidade do equipamento, deve-se observar a contração muscular, sendo indicado permanecer dentro do limite confortável para que as contrações não provoquem dor. Ao contrair os músculos ao mesmo tempo que a corrente russa está ligada, é possível recrutar mais fibras musculares, o que aumenta a eficiência do tratamento e o limite de dor.

Quando não se deve usar:

Apesar de ser um excelente tratamento para fortalecer os músculos, a corrente russa não deve ser usada nas seguintes situações:
Em indivíduos que possuem marcapasso ou doença cardíaca para não alterar os batimentos cardíacos;
Em pessoas que sofrem com epilepsia porque pode desencadear uma crise eplética;
Em caso de doença mental porque a pessoa pode retirar os eletrodos do lugar;
Em caso de hipertensão arterial de difícil controle porque a pressão pode ficar muito alterada;
Durante a gravidez não deve ser posicionado sobre o abdômen;
Não deve ser aplicado nas pernas com grandes varizes;
Não deve ser usado durante um episódio de Flebite ou Trombose venosa profunda;
Em caso de lesão muscular, ligamentar, nos tendões ou em caso de fratura da área a ser tratada.

Porque o cabelo piora com o frio?

21 julho 2021

Você está com a impressão de que seus cabelos estão mal lavados? 


Isso pode ser consequência dos dias mais frios, típicos do outono e inverno.

Vários fatores podem causar o excesso de oleosidade.

Pouco tempo de exposição ao sol, alimentação mais calórica e banho quente são os grandes responsáveis pelo aumento da produção de óleo no couro cabeludo.

Para se livrar da aparência “pesada” dos fios. É interessante usar um xampu para raízes oleosas e pontas secas. Ele não tira óleo do restante dos fios e a raiz fica mais limpa.

Além da oleosidade exagerada, a água quente e o uso contínuo do secador desidratam as madeixas e, em decorrência disso, as pontas ficam ressecadas e aparentemente descuidadas. A umidade presente no ar, que é maior nessa época, provoca o efeito frizz - os fios ficam elétricos e arrepiados.

Segue algumas dicas para você passar pelo outono/inverno com os cabelos mais bonitos e sem brigar com o espelho:

Se você faz escova, vale secar bem o cabelo antes de modelar, isso garante fios mais leves e soltinhos;

Prefira xampu sem sal para raízes oleosas e pontas secas. Fique de olho no rótulo e prefira os de PH baixo;

Encare o frio e lave os cabelos normalmente, nada de passar mais de dois dias sem lavá-los;

Procure ficar menos tempo com a cabeça embaixo da água e, para enxaguar, prefira água morna;

Use reparador para hidratar as pontas com proteção solar;

Hidrate uma vez por semana. Pode ser embaixo do chuveiro mesmo, com máscaras apropriadas;
Nunca use condicionador na raiz, se você tem cabelo oleoso, prefira leave-in;

Não exagere na quantidade de cremes, além de não domar os fios, seu cabelo ficará oleoso;

Opte por xampu de limpeza profunda a cada 10 dias;

Use o secador em temperatura média ou fria, com 30 cm de distância dos fios e finalize com vento frio, que fecha as cutículas;

Os tratamentos reconstrutores tais como hidratação, escova nutritiva ou cauterização são ótimos para domar os fios mais rebeldes.

Água de Arroz no Rosto

19 julho 2021

A água de arroz é cheia de vitaminas, minerais, antioxidantes, dentre outros compostos com propriedades que ajudam a proteger a pele dos raios solares, combater inflamações, irritações, além do envelhecimento. Um dos compostos mais especiais da água de arroz é o inositol, que é um complexo que promove o crescimento das células e estimula o fluxo sanguíneo, o que é essencial para prevenir os sinais iniciais do avanço da idade e diminuir o surgimento de poros abertos na pele.


Ela deixa a pele mais macia, melhora a aparência dos poros, alivia irritações, atua como um tônico natural e age como uma espécie de capa protetora à pele.



É possível preparar essa água com qualquer tipo de arroz, embora as opções mais comuns sejam o branco, integral e jasmim. Use o arroz que você já tenha em casa.


Aprenda a como fazer água de arroz:

Você vai precisar:

Meio Copo de arroz cru
2 Copos de água em temperatura ambiente.

Lave bem o arroz com água corrente. Em seguida, o coloque em um recipiente com tampa e acrescente a água. Deixe o arroz tampado por pelo menos 24 horas, para que ocorra a fermentação, garantindo melhores resultados. Transfira a água para outro recipiente e descarte o arroz da maneira que preferir. Para amenizar o odor da fermentação, você pode acrescentar algumas gotas de óleo essencial de lavanda.

Modo de usar:

E importante utilizar todos os dias, pela manhã e à noite, com um algodão. Antes de aplicar a água de arroz, lave bem o rosto para retirar impurezas.

O melhor de usar a água de arroz é que não há contraindicações, já que o arroz é um adstringente natural e que não possui grandes concentrações de agentes clareadores. 

Tratamentos para estrias

16 julho 2021

Não importa se é na barriga, nas costas, mamas ou coxas, as estrias incomodam em qualquer parte do corpo. Comuns tanto em homens quanto mulheres, essas marcas surgem por um rompimento das fibras elásticas que sustentam a camada intermediária da pele. As fibras são formadas por colágeno e elastina, responsáveis pela elasticidade e tonicidade da pele e podem ser recuperadas com tratamentos simples...


As estrias podem ser combatidas com ácido retinoico, ácido glicólico e ácido l-ascórbico. Dentre estes, o ácido retinoico é a melhor opção, pois melhora a produção de colágeno, reorganizando as fibras elásticas e diminuindo o comprimento e a largura das estrias. O tratamento é realizado pela própria pessoa em casa, com aplicação local do medicamento sobre as estrias no período da noite, antes de dormir.

Para evitar que a pele fique irritada por conta da ação do ácido, a recomendação é usar diariamente após o banho um creme hidratante específico para cada estágio e tipo de pele, normalmente indicados pelo dermatologista. Se a pessoa for se expor ao sol, é importante não usar o ácido na véspera e dois dias após, além de aplicar bloqueador solar de FPS maior ou igual a 30 de hora em hora. Além disso, é importante frisar que o uso do ácido retinoico não é recomendado para gestantes, pois pode causar má formação fetal.

Este tipo de tratamento é mais efetivo em estrias novas (mais avermelhadas), mas também pode ser usado em estágios mais avançados (estrias brancas), obtendo resultados lentos e discretos. Para resultados mais rápidos e satisfatórios, o ideal é associar outros métodos e procedimentos ao tratamento com ácidos.


O peeling consiste na aplicação de um ácido em uma forma mais concentrada sobre a área com estrias. Após a aplicação no consultório, o ácido deve permanecer na pele por seis a oito horas, sendo posteriormente retirado em casa pelo paciente durante o banho. O peeling funciona de forma similar aos ácidos aplicados em casa e pode ser usado para tratamento de todos os tipos de estrias, exceto quando há ulceração do local. No entanto, ele deve ser combinado com outro tratamento, como peeling de cristal ou diamante, que promove uma pequena esfoliação local, além de estímulo da produção do colágeno.

A dermoabrasão é um lixamento da pele utilizando ponteiras de diamante com espessuras diversas. Ao aplicar as ponteiras sobre a pele, cria-se uma escoriação sobre a estria. Na tentativa de regeneração tecidual, o organismo cria mecanismos de defesa que favorecem a hidratação da pele, nutrem as fibras colágenas e elásticas e estimulam a formação de um novo colágeno. A dermoabrasão é geralmente associada à intradermoterapia e é mais indicada para estrias brancas e profundas. Nas primeiras semanas após o tratamento, também é importante evitar a exposição ao sol.

Intradermoterapia é recomendado para as estrias mais profundas, esse tratamento consiste na injeção ao longo das estrias de substâncias que provocam uma reação do organismo, estimulando a formação de colágeno nas áreas onde as fibras se degeneram. Um exemplo de intradermoterapia é a carboxiterapia, que consiste na aplicação do gás CO2 na pele, diz a esteticista Érika. Outros tipos também incluem vitamina C, trissilinol e X-adene. Para todos os casos, as aplicações são feitas em 10 a 12 sessões semanais, sempre acompanhadas de um anestésico.

Existem no mercado diversos cremes para estrias, que combinam na fórmula complexos antielastese que protegem o colágeno e a elastina da degradação e óleos vegetais, além de hidratar a pele e possuir propriedades antioxidantes. Os hidratantes devem ser aplicados após o banho, pois ocorre uma dilatação dos poros, favorecendo a absorção de substâncias...

A indicação é aplicar duas vezes ao dia, de manhã e à noite. Como alguns desses cremes possuem ácidos, o ideal é consultar um profissional para que ele indique os produtos adequados...